Usina Termelétrica Energia Pecém inicia operação no Ceará -
stickyimage

SEJAM BEM VINDOS AO MAIS NOVO E COMPLETO PORTAL DE NOTÍCIAS DE CAUCAIA

SAIBA MAIS FECHAR

.

Copy and paste this shortcode into a page or post to display the ticker within the post content.

Usina Termelétrica Energia Pecém inicia operação no Ceará

Energia Pecém recebeu autorização da Aneel para geração da primeira unidade geradora

Usina Termelétrica Energia Pecémrecebeu a autorização da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) para iniciar aoperação comercial de sua primeira unidade geradora, com capacidade instalada de 360 MW, a partir deste mês.

O investimento total é de R$ 3 bilhões. São sócias no empreendimento as empresas A EDP, do Grupo EDP Energias de Portugal, e a MPX, empresa de energia do Grupo EBX, do empresário Eike Batista.

Localizada em São Gonçalo do Amarante (CE), a usina tem capacidade total de 720 MW, o que equivale à metade do parque gerador de energia do estado.

“A entrada em operação da Energia Pecém enfatiza a já comprovada capacidade da MPX no desenvolvimento de projetos greenfield e marca a transição da companhia para uma empresa operacional, de grande porte e com destacado papel no setor de energia brasileiro”, ressalta Eduardo Karrer, CEO e Diretor de Relações com Investidores da MPX.

“Iremos ainda fornecer energia adicional para suportar o crescimento da economia brasileira, com o início de operação da segunda unidade geradora da Energia Pecém e das usinas termelétricas Itaqui, Pecém II e Parnaíba, fases I e II”, completa. Com a adição dessas plantas, a capacidade comercial da MPX atingirá 1.920 MW em 2014 – considerando a capacidade proporcionalmente à participação da empresa em cada empreendimento.

Receita fixa

A primeira unidade geradora da Energia Pecém começou a fornecer energia ao Sistema Interligado Nacional (SIN) em 15 de outubro, em caráter de testes, sendo remunerada pelo Preço de Liquidação de Diferenças (PLD) sobre a energia efetivamente gerada neste período.

Com a aprovação da Declaração de Operação Comercial para a primeira turbina, o empreendimento passa a ser remunerado segundo os termos do Contrato de Comercialização de Energia no Ambiente Regulado (CCEAR) assegurado no leilão de energia A-5 de 2007.

O contrato garante uma receita anual mínima de R$ 567,2 milhões, indexada ao IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo – IBGE) e, adicionalmente, uma receita variável destinada a cobrir os custos (combustível, operação e manutenção) incorridos quando a planta for despachada pelo Operador Nacional do Sistema (ONS).